Tasusegada

é o nome da minha "filha mais nova", uma criança simpática, por vezes irrequieta, com morada em http://www.tasusegada.blogspot.com/

Nasceu por aborto espontâneo do vidartística, sinceramente pensei que me tinham apagado isto tudo mas, como nos computadores há sempre uma maneira de dar a volta ao texto, deu-se o milagre da ressurreição! Acontece que agora já não me apetece escrever mais aqui, são coisas que acontecem, a gente apega-se e depois não há maneira e pronto. É um desasossego esta criança, a outra também não obedece, enfim, terei que me resignar e vocês também...
Onde este blog acaba, começa o outro, pronto não se perdeu tudo, tenham calma, eu sei que a paciência é uma virtude em vias de extinção.
Ok, ok, já cá não está quem blogou!



sábado, maio 31, 2008

A sombra dos dias

não deixa chegar a noite
onde tudo se afunda
na calma profunda do sono descansado
um sonho arredado
de uma realidade fugidia
eu corria, corria
a cara era de espanto
acordei em pranto

terça-feira, maio 13, 2008

Não há fome que não dê em fartura!

A Segurança Social apoia a Marcha Contra a Fome, a que chama "Walk the Word", é mais "Walk the World", como diz no formulário de inscrição...
O slogan é "End Hunger", em português "Acabar com a Fome". A ideia é cobrar 10€ a quem queira, à semelhança de 100 países no mundo inteiro, marchar ou correr contra a fome no dia 1 de Junho. A iniciativa é das Nações Unidas e é de louvar.
Mas a Segurança Social a apoiar? Não percebo... Então, por exemplo, no dia 15 de Maio que é o Dia Internacional da Família não se comemora nada e depois marcha-se contra a fome? Espera, já percebi, no dia 1 de Junho é o Dia da Criança... e assim a Segurança Social deve dar umas sandes aos putos mais os pais e mães que andam a passar fome... Eu vou!

quinta-feira, maio 08, 2008

Só falta virem cá a casa lamber-me os pés...

Agradecemos a reclamação que nos endereçou, que será objecto da nossa
melhor atenção.

Registamos com agrado a sua participação e gostaríamos de realçar que o
conhecimento das diferentes opiniões acerca dos nossos serviços assume,
para a EDP, um contributo importante numa perspectiva de acréscimo
permanente do nível de satisfação dos seus clientes.

Voltaremos brevemente ao seu contacto, depois de uma análise rigorosa e
cuidada da questão colocada.

Melhores Cumprimentos
EDP Online


Ou sou eu que tenho a mania ou eles repetem o que dizem na mesma frase?... Ou referem motivos apontando justificações? A minha preferida é a do "contributo importante numa perspectiva de acréscimo permanente do nível de satisfação", isto sim dá que pensar...

quarta-feira, maio 07, 2008

A Comunicação Social

Houve tempos em que fui jornalista de profissão. Deixei de trabalhar nessa área mas continuo jornalista de coração. Ser jornalista não é apenas trabalhar num jornal ou noutro órgão de comunicação social, é um estado de espírito. É uma espécie de intuição para o que se está a passar e o que virá a acontecer. É estar atento e interrogar-se perante a realidade dos factos. É ler as notícias, saber o que se passou antes e perceber as consequências actuais e futuras dos acontecimentos.
Lamentavelmente, os jornalistas perderam um estatuto que os credibilizava perante a opinião pública. Em parte, isto deve-se ao facto de as empresas de comunicação social tratarem os jornalistas como meros funcionários administrativos e terem reduzido os postos de trabalho, exigindo mais horas e mais resultados vendáveis. Há notícias que vendem e notícias que não vendem. Privilegia-se o imediato, em vez de se apostar no conhecimento aprofundado dos acontecimentos, privilegia-se o insólito do fait-divers ao invés de se alargar o espectro noticiável. Causas e consequências seguem lado a lado: as redacções perderam a "memória" através das reformas antecipadas, das rescisões amigáveis e da contratação precária versus estagiários não-remunerados.
A outra parte da questão prende-se com a profissionalização das agências de comunicação e as assessorias de imprensa. Sabendo do que os jornalistas precisam, muitas vezes estas funções são preenchidas por ex-jornalistas que formatam a notícia e ela sai tal e qual como se pretende. O jornalista receptor não tem tempo para questionar a veracidade da informação e trabalhar sobre os dados que lhe fornecem. Até o título da notícia é fornecido e raras vezes susbtituído. Perante isto, é fácil transmitir mensagens erróneas e limitar o juízo da opinião pública.

quarta-feira, abril 30, 2008

A Fome chegou

tal como no tempo de Salazar, continuamos orgulhosamente sós. Nada nos afecta: a crise económica mundial, a subida do preço dos cereais, da carne, do peixe, a subida das taxas de juro europeias, o aumento dos combustíveis, a descida do preço dos automóveis, a descida do preço das casas, as falências e os despedimentos, a criminalidade violenta...
Não, nada disto é preocupante, preocupante é o PSD, o Pinto da Costa, o Ferreira Torres, o fim-de-semana prolongado e... os caracóis! Ao menos isso ainda não nos tiraram.

terça-feira, abril 29, 2008

Generation Gap

Nunca fui daquelas pessoas que sistematicamente falam de como era "no meu tempo" para denegrir os mais jovens. Pelo contrário, os mais jovens (palavra que pessoalmente me dá arrepios, vá-se lá saber porquê)fascinam-me. São espontâneos, fervem de ideias novas e atitudes radicais, vestem-se de formas fabulosas alinhando em modas ou não, sabem muito ou muito pouco, reagem explosivos à injustiça mas também ao sistema incoerente que não compreendem, vivem um dia como um mar de experiências de relato urgente e humorado ou, pelo contrário, lento e triste, abraçam-se e beijam-se, gritam e cantam na rua, abrem os olhos de espanto na descoberta de algo que até aí não tinham percebido, aderem a várias causas ou rejeitam todas.
Ainda bem!